19/08/2020 às 07h00min - Atualizada em 19/08/2020 às 07h06min

Jornalista de Araraquara estaria em dossiê contra antifascistas entregue aos EUA

Por Rian Fernandes

Um repórter de uma rádio de Araraquara estaria entre os cerca de mil nomes do dossiê que a Justiça afirma ter sido elaborado pelo deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP) contra antifascistas. Pelo menos é o que afirmou o jornalista Rogério Gentile, em uma publicação no UOL. O documento, conforme disse o parlamentar, foi entregue por Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, à Embaixada dos Estados Unidos. 

Além do repórter araraquarense, a lista possui ainda o nome de um jornalista que trabalha no sindicato dos metalúrgicos de São José dos Campos (SP, seis radialistas e pelo menos 70 professores, com a identificação das escolas em que eles poderiam ser encontrados e os seus telefones.

De acordo com a coluna, Douglas Garcia foi condenado a indenizar uma mulher que teve o nome e dados particulares colocados no dossiê entre pessoas que o deputado chama de "terroristas". O juiz Guilherme Ferreira da Cruz, da 45ª Vara Cível Central da Capital, que o condenou a pagar um valor de R$ 20 mil afirmou que o deputado não apresentou provas de que as pessoas da lista são violentas, criminosas ou terroristas.

Ainda conforme a coluna, o deputado teria feito um vídeo nas redes sociais sobre a lista, que estaria composta até mesmo com fotos.

"À Justiça, Garcia negou que tivesse participado da elaboração e da divulgação do dossiê, mas admitiu que o encaminhou para autoridades. Ele pretende recorrer da decisão judicial", esclareceu a coluna do UOL. Em uma outra publicação feita pelo mesmo jornalista, Rogério Gentile, a Embaixada dos EUA contradisse o parlamentar, negando ter recebido o dossiê antifascista.

"Procurado pela coluna, Douglas Garcia e Eduardo Bolsonaro não responderam aos questionamentos enviados para os seus emails", salientou Rogério Gentile na publicação do material. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »