28/05/2021 às 09h07min - Atualizada em 28/05/2021 às 09h07min

Cia Pé na Tábua promove encontro entre profissional da audiodescrição e artistas interessados em criar espetáculos mais acessíveis

Encontro que faz parte do Projeto Tripé, de autoria da Companhia.

Direto da Redação
“Ver com palavras” é a marca da Lívia Motta, que se debruça em estudos sobre Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Ela será a profissional convidada pela Cia. Pé na Tábua para guiar o encontro “Dança e Acessibilidade: experimentos em audiodescrição", que faz parte do Projeto TRIPÉ, de autoria da cia. 
Esse encontro acontecerá nos dias 28 e 29 de Maio, na plataforma Google Meet, onde Lívia Motta irá dialogar com artistas interessados na audiodescrição para espetáculos de dança, com foco em possíveis caminhos e aplicações práticas dessa acessibilidade comunicacional.

A audiodescrição se faz cada vez mais necessária entre os produtos artísticos, para que um público diverso possa acessar esse tipo de bem cultural. 
Dessa maneira, pessoas que por diversos fatores (como faixa etária, genética e doenças crônicas) possuam a experiência de viver com baixa visão ou cegueira, poderão usufruir de um espetáculo de dança, rompendo com o senso comum de que espetáculos de dança se tratam de uma experiência apenas visual. 

LEITA TAMBÉM: Teatro Municipal pode ser entregue no segundo semestre deste ano, diz Prefeitura

Audiodescrição

A audiodescrição pode ser entendida como uma “tradução do visual para o verbal”, na qual o profissional descreve, com riqueza de detalhes, os acontecimentos da cena, como o movimento corporal, expressões faciais, figurino, cenário, iluminação, efeitos especiais ou qualquer mudança no tempo e espaço para que pessoas videntes e não-videntes possam ter uma experiência única da obra assistida. 

"Com humildade, entendemos que estamos (Cia. Pé na Tábua) chegando agora em discussões há muito tempo levantadas por pessoas que sofrem por reconhecerem que seu acessos estão limitados. O que aparentemente é uma “deficiência física ou visual” é também uma deficiência social, por estarmos demorando para construir cidades e obras artísticas mais acessíveis por si só, com audiodescrições e língua de sinais fazendo parte do cotidiano de todos. Estamos aqui para escutar, aprender e contribuir para uma mudança nas práticas vigentes.” destacou Ana Luiza Yosetake, durante a primeira mesa temática. 
Projeto Tripé

O projeto “Tripé”, que se estende até agosto, com diversas atividades remotas, oferecidas de forma gratuita, tem apoio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Lei Aldir Blanc e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.
Além disso, o projeto prevê ações de partilha de processos criativos, uma vez que o pensamento e o debate sobre dramaturgia no campo do sapateado são extremamente escassos.

Além deste projeto, a Cia se debruça no processo criativo do seu mais recente trabalho cênico, intitulado “Atalhos”, também com apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. A trilha sonora é assinada pelo músico carioca João Callado e o processo conta com a colaboração do percussionista corporal Charles Raszl, do Grupo Barbatuques.

Para acompanhar todas as ações em andamento da Cia., basta acompanhar as redes sociais @ciapenatabua no Instagram, Facebook e Youtube).
 
 
Serviço: 

Encontro - Dança e Acessibilidade: experimentos em audiodescrição
Data: Sexta, 28/05, às 18h e Sábado, 29/05, às 14h
Local: Google Meet
Inscrições gratuitas através do sympla da Cia. Pé na Tábua

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você concorda com as medidas adotadas por Manoel em Boa Esperança do Sul?

42.4%
0.3%
56.0%
1.4%

Você é favorável a um novo lockdown na cidade de Araraquara?

52.7%
47.3%
0.0%
Fale pelo Zap
Atendimento
Oi, eu sou Willian Oliveira. Precisa de ajuda? Aqui você pode sugerir pauta, falar com nosso departamento comercial, estamos a sua disposição