30/07/2020 às 06h38min - Atualizada em 29/07/2020 às 23h24min

Conheça “Saudade de Araraquara”, música gravada por artistas do sertanejo

Por Guilherme Henrique Moro

Apesar de Matão ter o apelido de Terra da Saudade, a nossa Morada do Sol já foi motivo de saudade em um clássico da música raiz. “Saudade de Araraquara”, foi composta nos anos 50 pelo santa-ritense Lucio Rodrigues de Souza, mais conhecido como Zé Carreiro. A música já faz parte do cancioneiro popular brasileiro e é adorada por todos os amantes da música raiz.

A canção conta a história de um rapaz, que por algum motivo, deixou seu grande amor na cidade paulista, com destino à terras goianas. O personagem, conta que sua amada procura noticias dele pelos jornais e relata que o casal padece de saudade um pelo outro. Na estrofe final da canção, o personagem conclui que pra sempre será lembrado no coração de sua amada “Meu coração é um cuitelo / Que do seu jardim não sai” e se despede com os bonitos, mas tristes versos: “Adeus minha rosa branca / Adeus para nunca mais”.

Gravada em 1952, pela dupla Zé Carreiro & Carreirinho, a canção foi regravada por grandes artistas do gênero como os emblemáticos Tonico & Tinoco e os reis do pagode, Tião Carreiro & Pardinho. Outras centenas de artistas regravaram a música, que deveria ser mais conhecida pela população araraquarense, afinal, é uma bela homenagem à nossa cidade.

Recentemente, em uma de suas lives, o cantor João Carreiro a interpretou e não conteve as lágrimas, que foram derramadas pela beleza da canção.

“Saudade de Araraquara” leva o nome da cidade para todo o Brasil e faz parte da cultura popular, sendo motivo de orgulho para vários Araraquarenses.

Letra:

Eu parti de Araraquara
Com destino pra goiás
Quando eu vim da minha terra
Travessei Minas Gerais
Eu passei campinas tristes
Lagoa dos ananáis
Os olhos que lá me viram
De certo não me veem mais

Fiz a minha embarcação
Lá na estação do Brás
Meu amor me procurava
Notícias pelos jornais
Eu padeço ela padece
Padecemos dois iguais
Quem parte leva saudade
Pra quem fica é muito mais

Eu olhei para o horizonte
Avistei certos sinais
Que as estrelas vão correndo
Deixando raios pra trás
Eu te quis e ainda te quero
Cada vez querendo mais
Os agrados de outro amor
Para mim não satisfaz

O meu peito é o retiro
Onde meu suspiro vai
Meu coração é um cuitelo
Que do seu jardim não sai
E vive beijando a rosa
Onde que o sereno cai
Adeus minha rosa branca
Adeus para nunca mais

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »