17/04/2020 às 18h15min - Atualizada em 20/04/2020 às 10h42min

Alunos que pagaram aulas presenciais, reclamam de ensino à distância

Por Rian Fernandes

* A matéria foi ampliada na segunda-feira 20.04.2020 com o posicionamento da UNIP, que até então não havia se manifestado.

Por conta da propagação do novo coronavírus, universidades de Araraquara adotaram o ensino a distância para dar continuidade às aulas. No entanto, estudantes que contrataram o serviço presencial, reclamam do critério adotado, visto que as mensalidades continuam as mesmas com atividades diferentes das combinadas.

“Eu estava pagando o valor de um curso presencial, mesmo não tendo aula presencial”, declarou a aluna de ciências contábeis da UNIP, Rafaely Maria Padoan, que trancou o curso por conta das medidas tomadas. Ela explicou ainda que enquanto tinha as aulas, a internet estava sujeita a cair e a chamada ficava travando. “O entretenimento e o envolvimento com o professor não dá muito certo”, salientou.

Já Beatriz de Nardo, estudante de psicologia da UNIP que também teve que fechar o curso, esclareceu que os professores passaram as informações aos alunos sobre como seriam feitas as aulas, no caso, pelo ensino a distância. “Eu tranquei por esse motivo. Eu não acho justo. A gente estava tendo algumas atividades que precisariam da informação do professor, porque, querendo ou não, psicologia é uma matéria difícil. (...) O áudio não é muito bom, a imagem não é boa”, ilustrou.

“A gente tentou de tudo para eles baixarem a mensalidade. Fizemos uma lista online para os alunos, não só de Araraquara, como de outros lugares. Passamos essa lista para alcançar bastantes assinaturas, só que a UNIP falou que não iria baixar a mensalidade porque eles tinham que pagar os professores e funcionários”, declarou Beatriz.

Já a universitária de farmácia da Uniara, Pamella Valério Nunes Braga, inteirou que foram feitos vídeos e documentos para ilustrar o funcionamento da plataforma online e como seriam produzidas as aulas. Segundo ela, que não acha justo pagar o valor normal, foi feito um abaixo-assinado, porém o reitor teria dito que não poderia haver a redução na mensalidade, pois os custos permaneceram na totalidade com professores e colaboradores.

No entanto, para Pamella, não existiu uma diminuição no nível do aprendizado. “Não houve queda na qualidade. Meus professores estão sendo ótimos! Nunca pratiquei tanto a matéria, porque para contabilizar presente tem que haver uma atividade referente a aula da semana. Então estou sempre fazendo atividades”, comentou.

Em vídeo nas redes sociais, o advogado e jornalista Daniel Mastroianni ressaltou que de maneira alguma os estudantes devem parar de pagar a mensalidade. De acordo com ele, o correto seria procurar a instituição para fazer uma negociação e evitar idas para a justiça.

No caso da substituição do ensino presencial pelo EAD, caso o aluno aceite, o contrato segue normalmente, porém se o curso deixar de ter algum conteúdo por conta de estar sendo transmitido a distância, deve haver uma redução na mensalidade. “O aluno não pode pagar o mesmo que ele pagava pelo curso quando ele recebia aquele conteúdo completo. Por exemplo, num curso de saúde, em que o aluno, de repente, fazia aulas no laboratório, agora ele não faz mais. (...) se não o curso vai ter um enriquecimento ilícito”, realçou.

No entanto, se o estudante não concordar com a situação, pode ser feita a exigência de uma outra alternativa para que as aulas sejam desenvolvidas de forma presencial, até mesmo, depois, com uma remarcação. “Se a faculdade não dar essa opção, abre-se a prerrogativa do aluno requerer, judicialmente até, a rescisão deste do contrato, sem que ele pague multa alguma por isso e não sofra nenhuma penalidade”, completou.

Além disso, na ocorrência de atrasos nas mensalidades por conta das dificuldades, como redução de salário ou perca de emprego, a faculdade não pode cobrar multa ou outro tipo de penalidade. “Ele não atrasou por culpa dele. Foi um evento imprevisto, uma força maior”, afirmou.

A UNE (União Nacional dos Estudantes) entrou com uma representação do Ministério Público no dia 31 de março pedindo desconto na mensalidade das universidades privadas durante o período de quarentena.”A UNE argumenta que os cursos em EAD são taxados de forma mais barata em relação aos presenciais e que, uma parcela dos estudantes não tem acesso a computadores, internet e/ou plataformas de ensino fora do ambiente das faculdades e universidades.”

Além disso, a UNE criou um abaixo-assinado com pouco mais de 46 mil assinaturas que pode ser acessado pelo site http://suspendemensalidade.com.br/

Vale lembrar que o Ministério da Educação prorrogou por mais um mês a autorização para suspensão das aulas no ensino superior no país. As universidades estão permitidas a trocar cursos presenciais por atividades online. O prazo venceria nesta sexta-feira (17) e agora vai até o dia 17 de maio. 

Em nota, a Uniara evidenciou que a qualidade das dinâmicas online continuam a mesma, assim como os horários e a duração das aulas. Ainda conforme a declaração, a faculdade utiliza uma plataforma do Google, “moderna e tecnológica”, possível por meio de uma parceira que foi feita antes da pandemia surgir.

A UNIP afirmou que  cumpre integralmente as determinações  do Ministério da Educação e que contratou o serviço de uma plataforma digital para que professores, de suas residências , ministram aulas ao vivo ao conjunto dos alunos de sua classe, no mesmo horário que as aulas eram oferecidas no campus onde estudam. Com isso, segundo a instituição, manteve o curso presencial em perfeito andamentopor meio de aulas ao vivo.

"Além disso disponibiliza aulas digitais, orientações de estudo e acesso ?à Biblioteca Virtual. Há recursos para postar trabalhos e realizar avaliações. Atividades muito específicas que não possam ser dadas digitalmente serão respostas quando do reinício das atividades.  Dessa forma, de acordo com o MEC, as atividades dos cursos são válidas e o aluno continua sua aprendizagem de modo a terminar o seu curso no tempo previsto sem prejuízo. Por essa razão as mensalidades estão sendo cobradas como de usual", conclui a nota.

Confira a íntegra da nota da Uniara:

“As instituições foram obrigadas a suspenderem as aulas devido a pandemia de coronavirus. A Uniara suspendeu as aulas presenciais, mas a qualidade continua a mesma, pois os alunos têm aulas online, ao vivo, no mesmo horário e com a mesma duração do que seria as presenciais. Essa foi a forma que encontramos para que fosse preservada a saúde de todos e que nossos alunos não fossem prejudicados em relação ao ano letivo, visto que muitas universidades não ofereceram essa opção aos seus alunos. A Uniara utiliza a plataforma Google for Education, uma parceria que foi firmada bem antes da pandemia surgir. É uma plataforma moderna e tecnológica, que permite interação entre alunos e docentes como se estivessem em sala de aula, mas de forma virtual.”

Confira a íntegra da nota da Unip:

A Universidade Paulista – UNIP está cumprindo integralmente as determinações  do Ministério da Educação.
 
Assim, contratou o serviço de uma plataforma digital com a qual os professores, de suas residências , ministram aulas ao vivo ao conjunto dos alunos de sua classe, no mesmo horário que as aulas eram oferecidas no campus onde estudam os seus alunos.
 
Manteve portanto  o curso presencial em perfeito andamento.por meio de aulas ao vivo.
 
Além disso disponibiliza aulas digitais, orientações de estudo e acesso ?à Biblioteca Virtual. Há recursos para postar trabalhos e realizar avaliações. Atividades muito específicas que não possam ser dadas digitalmente serão respostas quando do reinício das atividades.  Dessa forma, de acordo com o MEC, as atividades dos cursos são válidas e o aluno continua sua aprendizagem de modo a terminar o seu curso no tempo previsto sem prejuízo. Por essa razão as mensalidades estão sendo cobradas como de usual.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você concorda com as medidas adotadas por Manoel em Boa Esperança do Sul?

42.3%
0.3%
56.1%
1.4%

Você é favorável a um novo lockdown na cidade de Araraquara?

52.7%
47.3%
0.0%
Fale pelo Zap
Atendimento
Oi, eu sou Willian Oliveira. Precisa de ajuda? Aqui você pode sugerir pauta, falar com nosso departamento comercial, estamos a sua disposição