Araraquara Agora Publicidade 728x90
25/01/2022 às 08h43min - Atualizada em 25/01/2022 às 08h43min

Coleta de lixo não terá mais coletores em pé nas caçambas de caminhões, após ação civil

Deslocamento do coletor passará a ser feito dentro das cabines. Cada veículo terá um motorista e dois coletores

Canva/ Ilustração

A partir do dia 27 de janeiro, os coletores de lixo domiciliar de Araraquara não trabalharão mais em pé sobre o estribo dos caminhões.

 

A nova modalidade atende a uma decisão judicial e foi apresentada durante Audiência Pública promovida de forma virtual pela Câmara Municipal, na noite desta segunda-feira (24), após requerimento do presidente do Legislativo Municipal, Aluisio Boi (MDB).

 

O segundo secretário da Mesa Diretora, Lucas Grecco (PSL), a vereadora Fabi Virgílio (PT) e o vereador Gerson da Farmácia (MDB) também participaram da discussão.

 

Para Aluisio Boi, Araraquara acerta ao preservar a saúde dos trabalhadores. “É algo novo que, com certeza, na prática, vai precisar de algum ajuste. Mas é importante deixar claro para a população: os dias e horários da coleta não vão mudar, o que vai mudar é o fato de o coletor não poder ficar mais no estribo, para oferecer mais segurança à vida deles”.

 

De acordo com a diretora de Resíduos Sólidos e Proteção de Mananciais do Departamento Autônomo de Água e Esgotos de Araraquara (Daae), Simone Oliveira, ao todo, serão dez novos caminhões, 20 motoristas e 44 coletores. Haverá ainda dois caminhões de reserva e um veículo 4x4 para apoio. O deslocamento do coletor passará a ser feito dentro das cabines, ou seja, cada veículo terá um motorista e dois coletores.

 

O superintendente do Daae, Donizete Simioni, reiterou que a coleta de lixo não sofrerá qualquer transição. “Araraquara não ficará nem um dia sem coleta de lixo. Não existe transição na coleta do lixo e sim, apenas, no modal”, destacou. Simioni também afirmou que todos os postos de trabalho serão mantidos, “sem exceção”, frisou.

 

Ação Civil Pública

 

Em 2020, após o trânsito em julgado da ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em 2017, o Município teve o prazo de 12 meses para promover adequações na forma da coleta, prazo que foi estendido por mais 12 meses em razão da pandemia. Nesse período, foi aberto novo processo licitatório de forma a contemplar as exigências judiciais, tendo vencido a empresa Urbam.

 

Este modelo será pioneiro no Brasil. Em nenhuma cidade existe coleta neste formato”, complementa Simioni, que pede o apoio da população para que a transição seja feita com tranquilidade. O Daae também disponibiliza o seguinte canal de atendimento para dúvidas da população: 0800-6022324.

 

Fonte: Câmara Araraquara


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araraquara Agora Publicidade 1200x90