15/06/2020 às 14h47min - Atualizada em 15/06/2020 às 17h00min

TJ mantém pena de 30 anos para cantor que matou Camila Lourenço a facadas

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve a condenação do cantor sertanejo Antônio Marcos Bruno, acusado de matar a facadas a jovem Camila Lourenço, na época com 32 anos. O crime foi em 9 de abril de 2018.

Com a decisão, a pena de 30 anos, estipulada em primeira instância, em Júri Popular, segue valendo e deverá ser cumprida em regime fechado. A decisão saiu no último dia 11 de Junho.

O caso teve grande repercussão na cidade de Araraquara e muitos familiares e amigos da vítima compareceram ao Fórum, no dia do julgamento popular, para pedir justiça pelo crime.

Leia também – FGTS: calendário do saque emergencial vai de junho até novembro

Segundo o Tribunal, “é o juiz do processo que tem contato com o réu e pode analisar seu caráter e personalidade”. É o juiz de primeiro grau “que se emociona com a dor da perda de familiares, de amigos próximos, e que vivencia a indignação da sociedade”. Nesse sentido, “o resultado do trabalho judicial merece ser prestigiado pelas instâncias superiores como expressão maior da almejada Justiça", diz trechos da decisão.
A acusação, no julgamento em primeira instância, foi feita pelo promotor Herivelto de Almeida.

O crime

No dia 9 de abril de 2018, Camila Lourenço, que era gerente de uma esmalteria, foi até a casa da mãe  do cantor, na Avenida Alberto Santos Dumont, no Jardim Higienópolis. Os dois já haviam morado juntos e naquele dia a ideia era terminar de vez o relacionamento.

Camila foi atraÍda para um quarto, houve uma discussão e ela foi esfaqueada pelo menos 10 vezes e morreu ali mesmo, antes da chegada nas unidades de resgate.A mãe de Antônio Marcos e uma outra testemunha ainda tentaram impedir, mas acabaram feridas por ele.
O cantor fugiu logo em seguida e foi pego horas depois em uma casa na Vila Xavier.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »