c.id = "CleverCoreLoader47680"; c.src = "//scripts.cleverwebserver.com/02461c5130daee73a8c73a51060e2adc.js"; c.async = !0; c.type = "text/javascript"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
07/07/2021 às 10h46min - Atualizada em 07/07/2021 às 11h48min

Trabalhadores protestam em frente a Santa Casa de Araraquara

Sindicato busca negociação salarial. Santa Casa diz que não há funcionários na manifestação

Direto da Redaçao
Sinsaúde

Profissionais ligados ao Sindicato da Saúde de Campinas e Região, o Sinsaúde, se reuniram na manhã desta quarta-feira (7), em frente a Santa Casa de Araraquara para protestar por melhores salários e condições de trabalho.

 

Segundo o sindicato, os trabalhadores, muitos na linha de frente, não tem salários compatíveis com os serviços prestados e ainda sofrem com a sobrecarga de trabalho.

 

Uma carta aberta foi divulgada relatando a situação dos profissionais:

 

Os trabalhadores sofrem com a sobrecarga de trabalho, já que faltam funcionários em vários setores, se arriscando a contrair o novo coronavírus, além de outras doenças infectocontagiosas e sem a segurança necessária para realizar suas funções. Esta é a realidade dos técnicos de enfermagem, trabalhadores do setor de apoio, administrativo, entre outros, já que estão expostos aos riscos de se trabalhar em um ambiente hospitalar”, diz um trecho da carta.

 

A categoria reivindica reposição da inflação de 8,9%, aumento real dos salários, cesta básica com vale-gás ou ticket de R$440,00, adicional de insalubridade de 40% para todos os funcionários, além da manutenção dos benefícios já concedidos aos profissionais.

 

Os profissionais buscam condições necessárias para resgatar a dignidade de uma categoria sofrida que merece ser valorizada e que está a serviço da humanidade em tempo integral sem medir esforços. É o mínimo que eles merecem”, diz a carta.



Leia Também: Araraquara anuncia vacina para pessoas com 37 anos ou mais.

 

Sem acordo

 

Recentemente o Sinsaúde rejeitou a proposta salarial feita pela direção da Santa Casa, de reajustar em 2% os salários dos funcionários. A instituição ainda propôs um aumento de R$ 85 reais no tíquete-alimentação.

 

Segundo o Sindicato, o técnico de enfermagem que trabalha há mais de 30 anos no hospital tem salário base de R$ 1.576,00.

 

Causa indignação o descaso da Santa Casa com seus funcionários. Além da baixa remuneração, se recusa a repor a inflação, que está a cada dia corroendo ainda mais nossos salários. 2% em cima de R$1.550 reais, não é nada”, diz a presidente da subsede do Sinsaúde em Araraquara, Claudete Aparecida Defavere.



 

Sobre a manifestação, Defavare disse: “Estamos em um movimento pacífico, desde às 5h40 da manhã, aguardando a administração nos receber e propor um aumento salarial aceitável”.


O Sindicato pediu apoio da população: “Agradecemos os aplausos, mas queremos dignidade nos nossos salários. População nos apoie”, finalizou a presidente. 

 

Santa Casa responde

 

A assessoria de comunicação da Santa Casa se pronunciou sobre o protesto. Em nota disse que participou de reunião com o SINSAÚDE no dia 24 de junho, sobre o reajuste anual de salários. No encontro, a Santa Casa expôs o cenário econômico e financeiro do hospital, que se agravou ainda mais com a pandemia.

Diante da situação, foi apresentado ao sindicato uma umento de 2% sobre os salários + 53% sobre o vale-alimentação (de R$ 160,00 para R$ 245,00).

A proposta da Santa Casa foi inicialmente bem acolhida pelo sindicato e, até o momento, o hospital não recebeu a formalização da não aceitação da proposta.

A Santa Casa ainda ressaltou que “não há trabalhadores da Santa Casa de Araraquara na manifestação, a exceção de uma profissional que é diretora do sindicato”.

Sobre a presença de funcionários na manifestação Claudete Aparecida Defavere disse: “Não fizemos um movimento de paralisação dos funcionários. Fizemos um movimento de conscientização para que a administração reveja a proposta que fizeram juntamente colocando a população ciente do salário de um técnico de enfermagem. Aguardamos aqui que essa proposta venha por parte da administração. Por tal motivo, poupamos imagem e presença dos funcionários, pois eles têm uma representatividade que é do Sinsaúde”, disse.

 

Confira a nota da Santa Casa na íntegra:

A Santa Casa de Araraquara participou de reunião com o SINSAÚDE no dia 24/06/21. Na pauta foi discutido o reajuste anual de salários — a reivindicação do sindicato é por um reajuste de 8,9% sobre os salários atuais. No encontro, a Santa Casa expôs aos representantes do SINSAÚDE o cenário econômico e financeiro do hospital, que se agravou ainda mais com a pandemia.

A Santa Casa, entendendo que o maior impacto atualmente na renda familiar é o custo com a alimentação (que vem de sucessivas altas) apresentou a seguinte proposta:
- Aumento de 2% sobre os salários + 53% sobre o vale-alimentação (de R$ 160,00 para R$ 245,00), o que acarretaria um impacto de 7,8% em média (a depender do valor do salário) em ganhos reais.

A proposta da Santa Casa foi inicialmente bem acolhida pelo sindicato e, até o momento, o hospital não recebeu a formalização da não aceitação da proposta.

Estamos confiantes que chegaremos a um acordo e reiteramos que gostaríamos de fazer sempre mais. Reconhecemos a importância de todos os colaboradores não só para a Santa Casa como também para a população, que necessita de seus serviços.

 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »