c.id = "CleverCoreLoader47680"; c.src = "//scripts.cleverwebserver.com/02461c5130daee73a8c73a51060e2adc.js"; c.async = !0; c.type = "text/javascript"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
30/07/2021 às 11h06min - Atualizada em 30/07/2021 às 11h06min

“Folhas Vivas” em Praças de Araraquara ressignificam perdas por Covid-19

Projeto foi construído por voluntários. Conheça a proposta

Direto da Redação
Foto: Parque Vivo/ Divulgação

A pandemia trouxe reflexos significativos na vida das pessoas. O grande desafio foi encarar, sem aviso prévio, a morte de pessoas queridas, sejam familiares, amigos, conhecidos. Pessoas que nã imaginávamos perder tão prematuramente.

 

Além de lidar com o luto, o isolamento social também desorganizou a saúde mental de muita gente. Conviver, todo mundo, dentro de casa, foi muito desafiador.

 

Para refletir sobre o assunto, homenagear os que partiram e ajudar quem está no processo de luto, voluntários do Instituto Paz e Bem, do Parque Vivo, do Can.u.do e do Grupo dos Escoteiros Morada do Sol, realizam o Projeto “Folhas Vivas”, onde estão sendo penduradas em árvores de Araraquara, com barbante de algodão, móbiles feitos com vagem e com folhas secas pintadas e desenhadas com um coração, além de origamis em formato de coração.

 

 

 

Nesse projeto, são penduradas também sementes, para quem passar pelo local resgatar e plantar. O objetivo, segundo a coordenadora do Projeto Parque Vivo, Lilian Gabriela Coelho Honorato, é para ressignificar as perdas por COVID-19.

 

 

 

Pensamos em uma campanha criativa e ambiental de forma simples, para confortar um pouquinho a saudade daqueles que não resistiram, daqueles que estão longe. Uma maneira de falar dos reflexos da pandemia de uma forma mais sensível e tocar o coração das pessoas para fazer o bem, mesmo diante das dificuldades. Contribuir para que haja ainda vontade de continuar, seguir o caminho, ter um olhar empático para as pessoas, à dor, à saudade”, diz.

 

As homenagens podem ser vistas em duas árvores localizadas no Parque Infantil, uma localizada na Avenida São Geraldo e outra localizada na Rua São Bento.
 

Pretendemos escolher alguns locais para representar esse momento. Enquanto não temos condições de retomar nossas ações e diante das dificuldades que estamos presenciando e observando por aí, queremos fazer algo. Resgatar a nossa sensação de fazer o bem. Ajudar também nos mantêm vivos”.

 

 

Ressaltado que o projeto “Folhas Vivas” é desenvolvido seguindo rigorosamente os protocolos de segurança. Lilian ainda lembrou os desafios enfrentados durante a pandemia.

 

Ficamos de março a setembro do ano passado sem atividades. Foi um susto tudo que aconteceu e muita dúvida, incerteza do que fazer e como adaptar às mudanças de rotina frequente. Passado esse momento inicial e vendo que o cenário ainda demoraria a mudar, iniciamos reuniões online para pensarmos em atividades que pudessem respeitar as diretrizes de segurança”, lembra.

 

Então em 2020, o grupo organizou lives online além de participar de ações importantes de recuperação de espaços na cidade.

 

Contribuímos com o mutirão de limpeza do Córrego do Tanquinho na Semana do Lixo Zero, realizamos a campanha Setembro Amarelo em conjunto com a Escuta no Parque, Drive Thru dos Dias das Crianças com a Edulelá, construímos um manifesto em prol do meio ambiente para discussão das eleições municipais através do #nósdoscoletivos”.

 

Em 2021 buscamos movimentar as redes sociais com a divulgação de Parcerias Solidárias, para ajudar com doações para instituições, fizemos junto com o DAAE a pintura de bocas de lobo próximas ao Córrego do Tanquinho no projeto O Rio Começa Aqui e trouxemos parceiros como o Lucas Tannuri e Rodrigo Vulcano com reflexões sobre a natureza nas postagens”, ressalta Lilian.

 

Volta gradativa aos Parques

 

Como os Parques Públicos de Araraquara devem reabrir a partir deste domingo (1), os encontros não estão ocorrendo, porém o Grupo reivindicava a abertura do Parque do Botânico desde o ano passado, demostrando a necessidade do contato com a natureza e contribuir para a saúde mental das pessoas.

 

Estamos felizes que haja o plano agora de reabertura. Não pretendemos retomar as atividades abertas ao público de imediato, pois sabemos que ainda temos muito que nos cuidar e aguardar o efeito da vacina no todo, porém, já será ótimo ter uma opção de lazer, respeitando os protocolos de segurança, diante desse período que foi tão diferente de tudo que poderíamos esperar”.

 

Ações que transformam o ambiente

 

O Instituto Paz e Bem, que o Projeto Parque Vivo faz parte, atua na conscientização, transformação e preservação do meio ambiente e dos espaços públicos.

 

Lilian Gabriela Coelho Honorata explica que o objetivo é também promover projetos para ocupação positiva contínua, inspirando as pessoas “em prol do bem-estar coletivo, através do Parque Vivo”.


Mais informações do Grupo nas redes sociais do Parque Vivo


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »