c.id = "CleverCoreLoader47680"; c.src = "//scripts.cleverwebserver.com/02461c5130daee73a8c73a51060e2adc.js"; c.async = !0; c.type = "text/javascript"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
07/01/2022 às 17h29min - Atualizada em 07/01/2022 às 17h29min

Salão é alvo de ataque racista:“Tira esta macaca”

Frases faziam referência a foto de três mulheres brancas e uma negra

Cassiane Chagas

Um Salão de Beleza, localizado na rua Humaitá, no centro de Araraquara, foi alvo de ataques racistas. No estabelecimento familiar, administrado por três irmãs, tem um outdoor com quatro mulheres estampadas. Três brancas e uma negra.

 

A poucos metros da imagem, referência da representatividade, foram escritas, com erros de português, as frases: “Três mulheres lindas e uma macaca no meio. Já falei para tirar esta macaca do meio das três mulheres bonitas”.

 

Nas fotos é possível observar que uma das frases foi escrita no muro do salão à caneta. Já a outra o (a) criminoso (a) escreveu com canetinha, no portão do estabelecimento.

 

 


 

Uma das proprietárias, Érica Larissa Fuzari Lain, detalhou que este não foi o primeiro ataque a imagem no outdoor do salão.

 

Já faz algum tempo que acontecem estas pichações. Nós temos uma lona branca na frente do salão e as frases eram escritas nesta lona com caneta Bic, quase não dava para ver. Aconteceu umas três vezes antes da gente denunciar. A gente sempre limpou, ignorou. Só que da última vez a pichação foi maior do que eles costumavam fazer, foi quando a gente tomou uma decisão”, explica.

 

Quando foi pichado a primeira vez, as irmãs limparam, porém, no outro dia, tinha uma nova pichação com a mesma frase.

 

A gente ignorou no começo, mas hoje a gente observa que deveria ter denunciado desde o começo. É um crime e não deve passar impune”, ressalta Érica Lain.

 

As irmãs não sabiam como enfrentar a situação, foi quando elas postaram nas redes sociais e a repercussão foi grande. “As pessoas começaram a procurar a gente. A gente foi encaminhada para o Centro Afro e fomos orientadas do que fazer. Foi registrado um boletim de ocorrência para iniciar uma investigação”.

 

Uma situação desta não deve acontecer mesmo. Precisa ser denunciado, não é besteira, não é bobo. Isso fere as pessoas”, lembra.

 

As irmãs são brancas, mas ressaltam a necessidade da denúncia chegar ao máximo de pessoas possível, para gerar uma conscientização do crime de racismo.

 

Nossas clientes chegando no estabelecimento e lendo aquilo é horrível, uma agressão sem justificativa”, reforça a proprietária.

 

Esta é a importância da gente disseminar isso o máximo possível”, finaliza.

 

Racismo é crime

 

A coordenadora do Centro Afro, Alessandra Laurindo, ressalta que este tipo de ação é crime e lamentou os ataques racistas.

 

Para gente é muito triste. A pichação por si só já é crime. Quando é uma pichação racista é um duplo crime. Neste caso é o crime de injúria racial que hoje é comparada ao crime de racismo que pode resultar de dois a cinco anos de prisão”, explica.

 

O Centro Afro também se colocou a disposição para receber denúncias de quem possa ter visto o ataque racista.

 

Estamos impulsionando uma denúncia de forma coletiva para que outras pessoas, que também se sintam incomodadas, façam essa denúncia e orientar para que nenhum crime passe em vão. Que todas as pessoas sigam em busca de seus direitos e faça uma denúncia, pois racismo é crime, tem que ser denunciado”.

 

Alessandra alerta que o que inicia como injúria pode ter um final perigoso.

 

A gente não sabe qual que é a próxima atitude. Primeiro foi a pichação, que já vem de um histórico, mas vai saber qualquer intenção desta pessoa, porque a imagem não vai ser retirada do salão”, lembra.

 

O fato de ter essa modelo negra é pra gente, enquanto comunidade negra, a valorização da diversidade e o fato de ter sido atingido, ataca de todas as formas, toda uma comunidade, porque não é só a modelo do banner, tem uma capilaridade em toda comunidade que se sentiu atingida e se sentiu discriminada pelos ataques racistas”, reforça.

 

 

 

É lamentável, principalmente depois que a gente vem com uma campanha ampla desde novembro de que Araraquara, é a Morada do Sol e não do racismo, e a gente leva mais essa rasteira, mas estamos firmes nesse enfrentamento. Não vamos desanimar, não vamos desistir, porque a nossa proposta, sem dúvida, é combater toda e qualquer forma de discriminação racial”, finaliza Alessandra Laurindo.

 

 

 

 

As denúncias de racismo ou injúria racial podem ser feitas por meio de dois números de telefone. Nestes números é possível também denunciar se alguém presenciou o ataque racista no salão de beleza. É importante.

 

Os números são: (16) 9 9626-9466 (24 horas).

(16) 3322-8316 (Fixo).


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »