c.id = "CleverCoreLoader47680"; c.src = "//scripts.cleverwebserver.com/02461c5130daee73a8c73a51060e2adc.js"; c.async = !0; c.type = "text/javascript"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
18/06/2024 às 09h25min - Atualizada em 18/06/2024 às 09h25min

Queda nas temperaturas diminui a sede, mas não pode impedir a hidratação

Nefrologista Henrique Carrascossi alerta para a importância de beber mais água durante o inverno

Foto Ilustrativa/Jefferson Rudy por Agência Senado

 

Leia Ainda:
Alerta: entenda como agem os golpistas que utilizam o nome da Santa Casa de Araraquara.
UPAs em obras em Araraquara: veja como ficam os atendimentos.





Embora as temperaturas mais frias do inverno tragam um alívio dos tempos mais quentes, também ocorre uma diminuição significativa na sensação de sede. Diante desse cenário, o nefrologista Henrique Carrascossi ressalta a importância de manter uma hidratação adequada mesmo nos dias mais frios, alertando principalmente para os riscos que a baixa ingestão de água pode trazer à saúde dos rins.

 

 

“Durante o inverno, é comum que as pessoas sintam menos vontade de beber água, mas essa mudança de comportamento costuma ter consequências negativas. A água é essencial para o funcionamento adequado dos rins, que são responsáveis por filtrar as toxinas do sangue e regular o balanço de líquidos e eletrólitos no corpo. A desidratação pode levar a formação de cálculos renais, infecções urinárias e até insuficiência renal aguda”, diz Carrascossi.
 


Ainda segundo o especialista, a sensação de sede é um mecanismo de alerta do corpo, contudo, não deve ser o único nem o último indicador para o consumo de água. “Outro alerta é que, embora no inverno a transpiração seja menor, isso também não deve ser visto como um sinal de que o corpo precise de menos água. Manter-se hidratado é crucial para garantir o bom funcionamento de todos os órgãos”.



Desidratação e prevenção

 


O nefrologista explica que o uso frequente de aquecedores e a maior permanência em ambientes fechados pode contribuir ainda mais para a desidratação, uma vez que o ar seco aumenta a perda de água pelo corpo. “Assim, é importante estar atento aos sinais de desidratação, como urina escura, boca seca e cansaço excessivo. O ideal é consumir pelo menos dois litros de água por dia, ajustando conforme a necessidade individual e as atividades diárias”.
 

Carrascossi também orienta sobre estratégias simples de prevenção. Manter uma garrafa de água sempre por perto pode ser um lembrete eficaz para beber água regularmente. Além disso, incluir alimentos ricos em água, como frutas e vegetais, na dieta diária também ajuda na hidratação. Chás e sopas podem ser boas alternativas, especialmente no inverno, pois além de hidratar, ajudam a manter o corpo aquecido. 
 

O mais importante é que, mesmo que a sede diminua com a queda das temperaturas, a hidratação continue sendo uma prioridade diária para a saúde. “Beber água regularmente é fundamental para prevenir problemas renais e garantir o bem-estar geral durante todo o ano”, diz.

 



 

  • Professor do Curso de Medicina da Universidade de Araraquara – Uniara, Henrique Carrascossi é médico nefrologista formado pela Faculdade de Medicina de Catanduva, com residência médica e título de especialista em nefrologia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) e Associação Médica Brasileira (AMB).

 

  • Atualmente, é preceptor do internato médico da Universidade de Araraquara (UNIARA) e do programa de residência médica em clínica médica da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

 

  • Também atua como médico coordenador assistencialista da enfermaria de clínica médica do Hospital de Ensino e da unidade de urgência e emergência da Santa Casa de Araraquara, além de coordenar o Instituto do Rim Carrascossi, onde oferece a seus pacientes o diferencial da diálise peritoneal (em substituição da hemodiálise).

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »