c.id = "CleverCoreLoader47680"; c.src = "//scripts.cleverwebserver.com/02461c5130daee73a8c73a51060e2adc.js"; c.async = !0; c.type = "text/javascript"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
17/01/2022 às 10h25min - Atualizada em 17/01/2022 às 10h25min

Hábitos do verão demandam mais cuidados para evitar dores de ouvido

Especialista explica causas, sintomas e formas de evitar o problema

Foto: Canva/ Ilustração

Com as altas temperaturas do verão, é comum que as pessoas busquem formas de se refrescar, com mergulhos em piscinas, banhos de mar e passeios a rios e cachoeiras. Porém, a otorrinolaringologista Tatiana Gonçalves orienta alguns cuidados após essas situações, pois o contato com a água pode desencadear otites causando fortes dores de ouvido.

 

“Por se tratar de uma condição evitável, é imprescindível que se tome algumas precauções, como enxugar as orelhas com uma toalha macia e limpa, não introduzir objetos que possam machucar a pele dos ouvidos, especialmente cotonetes, e nunca utilizar de soluções caseiras nos ouvidos sem o conhecimento médico”, orienta a especialista.


Diferente da otite de inverno, que acomete a orelha média e é frequentemente viral ou bacteriana, a otite de verão, também chamada de otite externa, é principalmente fúngica ou bacteriana e é uma condição que acomete a orelha externa – que consiste em toda a área do conduto audito externo e do pavilhar auricular.
Na maior parte dos casos, se trata de micro-organismos que penetram no ouvido por meio de lesões na pele que recobre a orelha externa, provocadas por objetos (cotonetes, grampos etc.), atritos, e pelo contato com água contaminada.


Os sintomas geralmente aparecem logo no primeiro dia de infecção, com características como dor intensa e latejante (principalmente em crianças); sensação de entupimento do ouvido; secreção; coceira; e perda parcial da audição.


O diagnóstico e o tratamento devem ser feitos pelo médico otorrinolaringologista e a avaliação dos sintomas através do exame otológico, que permite visualizar as estruturas do ouvido.

 

O tratamento, costuma ser simples, porém requer disciplina e cuidados locais, e consiste em utilizar analgésicos orais e antibióticos ou antifúngicos tópicos além de proteção local e evitar manipulação ou molhar os ouvidos. Com alguns casos também demandando uma aspiração da secreção do meato auditivo externo que deve ser feito apenas pelo especialista”, explica Gonçalves.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »